Há mais de dois anos, Deus me disse para sair da liderança de um grupo de adolescentes. Eu me apeguei àqueles meninos como se fossem meus filhos. Não entendi quando Deus me disse que meu tempo ali naquele lugar havia acabado, mas não podia resistir à Sua voz. Bom, isso era o que eu pensava!

Enquanto estivemos liderando aquele grupo, meu esposo e eu, fomos extremamente presentes, íamos até em reunião escolar se preciso, apresentações, feiras de arte, semana de ciência e afins.

Foi um período doloroso ter que deixá-los. Eu amava aquele grupo, nós fluíamos juntos, e apesar das dificuldades que enfrentávamos, não havia motivo algum para que desejasse sair. A paz no meu coração foi o meu árbitro, Deus falou comigo de diversas formas para que eu compreendesse que era chegado um novo tempo! Isso era o que afirmava o meu enganoso coração.

Haviam dez que moravam próximos a mim, e me agarrei ao meu lugar de conforto através deles. Apesar de nunca ter dito isso com os meus lábios, eu ouvi e me calei TODAS as vezes diante da mentira de que eles precisavam do meu suporte, eles precisavam de mim. Essa mentira se tornou uma verdade no meu coração e de uma forma muito “legítima” coloquei em prática o meu “plano B”! Não premeditadamente, eu apenas me deixei levar pelos meus sentimentos. Foi o suficiente!

As emoções, apesar de legitimas, não podem ser maiores que a nossa confiança em Deus! @HTannure

Durante esse tempo algumas situações foram nos afastando de alguns, e percebi que Deus estava trabalhando, até que uma situação foi revelada, e me senti profundamente ferida.

Depois disso me tranquei em um quarto escuro. Tranquei as portas do meu coração e sofri sem aceitar consolo. Estava como Noemi, sem identidade, e o que me restara era apenas amargura. Houve uma ruptura entre eu e Deus, eu sequer conseguia orar. Responsabilizei a DEUS, e questionei: – Porque Ele não me protegeu? Como Ele pode me desamparar? Eu estava AMANDO, e me DOANDO em nome desse amor!

Fui bombardeada em meus sentimentos e pensamentos. Não conseguia chorar, não conseguia orar, não conseguia falar sobre isso durante meses. Me senti uma fraude, sem frutos, pior que isso, uma árvore de frutos podres. O que eu poderia oferecer? Se Ele pedisse para ver o que eu trazia em minhas mãos, o que eu Lhe ofereceria? O que havia restado? O que era mentira, o que era verdade? Onde eu havia me perdido?

Ah, nossa velha mania de tentar merecer o AMOR do Abba! Auto-comiseração e justiça própria! Impostor e vítima se uniram dentro de mim causando confusão e criando um emaranhado de sentimentos e pensamentos. Completamente fora do percurso original, do plano de Deus, me senti, com base nos meus sentimentos, no direito de questionar o amor de Deus! Não é uma loucura? Nosso coração nos engana em um estalar de dedos!

Basta estar FORA do propósito de Deus para que as mais NOBRES e SINCERAS motivações se tornem: LIXO!

Eu não sei em qual momento, eu pedi que Deus arrancasse de mim toda vitimização. No dia seguinte, Helena postou uma resposta para todos os meus questionamentos sobre frutificação – Goiabas Sem Bicho – e enquanto eu lia, ouvia a voz do Espírito Santo me dizendo docemente: Eles não são seus frutos! O fruto que espero recolher de você é o seu caráter, quem você é quando ninguém te olha, o que você faz e ninguém sabe, é o teu coração segundo o MEU coração que eu desejo receber.

Foi o suficiente para me desmontar, e me arrancar daquele quarto onde havia me trancado meses atrás. Para minha limitada percepção estava tudo ótimo! Mas para Ele não, Ele não se cansa!

Poucos dias depois, estava no metrô, quando o Espírito Santo me trouxe a memória aquelas situações em que alguém, tentando me elogiar, me dizia: – Ainda bem que esses meninos têm vocês! E vi um filme, ouvi diversas pessoas dizendo de diversas maneiras a mesma coisa: Aqueles adolescentes precisavam de mim! Eu não podia deixá-los caminhar sozinhos!

Foi então que Ele me confrontou duramente, lançando luz nas minhas trevas: – Não são eles que precisam de você, eles precisam de MIM, EU sou MAIS que suficiente, é você quem precisa ser importante pra eles. Te agrada ser requisitada, alimenta seu ego ser importante pra eles! UAU!

Tenho pensado desde então, o que aconteceria se os líderes deixassem de ser requisitados? Se os pastores deixassem de ser procurados? Se os ministros não fossem mais honrados? Será que essa geração de bebês espirituais é o nosso lugar de conforto? Nossa garantia de que sempre seremos necessários? Se nós fossemos esquecidos completamente? Quando nossos rostos não forem lembrados, nos contentaríamos em não sermos alguém? Quando a nossa voz não for mais ouvida? Quando não houver mais encorajamento, nem respostas?

É confortável falarmos dos Apóstolos do nosso século, e das megalomanias presentes nos nossos altares. Mas e nossas pequenas pretensões, nossas pequenas ambições? Da boca pra fora nosso discurso é o mesmo, mas nosso papo blasé fica só na teoria. A verdade é aquela que não admitimos. É sutil demais, ardiloso demais, demoníaco demais. E como eu preciso mais de Jesus, de me desfazer do meu orgulho e da minha soberba espiritual, e mergulhar na graça de ser apenas uma leprosa sedenta por cura! O que mais me entristeceu foi descobrir que eu estava tão longe DELE, mesmo achando que estava perto!

O propósito da nossa criação não é vivermos ensimesmados, centrados em nós mesmos! O propósito da nossa criação é sermos a morada de Deus, é sermos apenas UMA VOZ que ANUNCIA a chegada do REINO de Deus. Quando o meu “EU” governa minha vida, eu deixo de ter Cristo como centro e razão para ser egocêntrico, errando o alvo, saindo do propósito de Deus e vivendo em pecado.

“Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por Ele e para Ele. E Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele. E Ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos para que em tudo tenha a preeminência. Porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude NELE habitasse,” (Colossenses 1:16-19)

Não foi fácil escrever sobre essa experiência, mas não posso ter pudores, eu preciso me arrepender, me esvaziar e reconhecer a SOBERANIA de Deus! Prostrada, rendida diante do REI, desejar sinceramente e ardentemente, que eu desapareça para que ELE encontre espaço em mim para crescer. Quando ELE me mostra quem eu sou, eu sei que diminuir não é o bastante, eu preciso experimentar a morte, mas que essa morte não me seja uma opção ou uma escolha, que seja meu único caminho, meu destino final, minha oferta agradável ao ÚNICO que é DIGNO!

Eu preciso me deixar vencer pela natureza do Mestre, para que habite em mim o mesmo sentimento que habitou em Cristo Jesus, pois Ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus, antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo.

Não posso afirmar que estou inteira novamente, escolher viver um plano paralelo cria em nós muitas feridas. Apenas a obediência absoluta guarda o nosso coração, essa é a nossa verdadeira segurança: OBEDECER! Mas eu sei que meu coração está nas mãos DAQUELE que pode me curar, e hoje, eu me submeto ao Seu querer! Isso basta!

“Pai, há quanto tempo estás
A conhecer o que acontece dentro de mim
Vai toda essa vida, vai
E nada fiz daquilo que Te prometi
Disse uma vez que louvaria sim
Em prazer ou mesmo em dias maus
E o que me fez chorar foi perceber, Senhor
Que o meu murmurar foi mais que o meu louvor.

Pai misericórdia tens
Mesmo sabendo o crente que sou
Me concedes tantos bens
Tomas-me e faz-me diferente ser
Agora junto a Ti quero me refazer…

Pai, o que é melhor Tu dás
E mesmo assim tão ansioso eu sei que estou
Vai toda essa vida vai
Pedi, pedi e nada dei a Ti, Senhor
Lembro de uma vez que tanto murmurei
Porque me vi sem honras e valor
Mas ao cair em pranto, eu me lembrei da cruz
Foi lá que meu Jesus me deu real valor.”