O que fazer quando parece que a sua vida parou no tempo? O que fazer quando parece que nada mais vai acontecer, quando parece que o propósito maior não existe? Ao contrário, era só uma ilusão do seu coração.

O que fazer quando o filho não vem? Quando o casamento não acontece? Quando o sonho morre? Quando sua casa recebe a visita da morte? O que fazer quando parece que tudo o que você viveu foi em vão? O que fazer quando a sua fé não é mais suficiente? E essa mesma abalada fé não sustém mais nenhum pilar no seu coração? Tudo o que sobrou foram os questionamentos: Porque? Para que? Porque eu? Porque não eu?

O que fazer quando a sua loucura é só sua? Quando a solidão é só sua? Quando a dor é só sua? Quando o medo é só seu? O que fazer quando ser você é o propulsor de toda a dor que você sente? O que sobra quando sua “característica especial” é o que te coloca nesse lugar de dor?

O que fazer diante do caos que se estabeleceu na sua alma? O que fazer quando não existe razão para falar? Quando não existe o que falar? Quando não existe para quem falar? O que fazer, quando não há nada que se possa fazer? O que fazer quando a frase “Vai valer a pena” não te diz mais nada?

O que se pode fazer quando sua realidade grita na sua cara: “VOCÊ É UMA FRAUDE!” O que fazer quando o que você “faz” determina o valor de quem você “é”?

O que fazer quando as ondas já não deixam mais você respirar? O que fazer quando a única frase completa que você consegue dizer é: “QUANDO ISSO VAI ACABAR?” Desistir, insistir?

Quando não resta mais nada, tudo o que podemos fazer é esperar. Esperar que as ondas se acalmem, que o vento cesse, que a sexta-feira acabe. Uma coisa é certa, ainda que hoje eu não consiga crer no domingo da ressurreição, ele é real. Não é a minha fé que dá a luz e que gera o amanhecer do domingo. O domingo simplesmente existe e nada nunca vai poder mudar essa realidade.

É uma sexta-feira de morte, mas o domingo vem aí.

“É sexta-feira! Jesus está orando, Pedro dorme, Judas está traindo,
Pilatos reluta, o Sinédrio conspira, a multidão escarnece!
Os discípulos fogem como ovelhas
sem pastor, Maria está chorando, Pedro está negando e o
s romanos ferem meu Jesus!

É sexta-feira! Jesus caminha até o calvário, seu sangue escorre!
Seu corpo tropeça! Seu espírito está oprimido! Mas você entende?
É só sexta-feira!
A vitória é do mundo! As pessoas sempre pecam! E o mal sorri!

É sexta-feira! Soldados pregam as mãos do meu Salvador na cruz!
Eles pregam seus pés naquela cruz! Então eles o suspendem ao lado de criminosos!

É sexta-feira! Os discípulos se perguntam o que aconteceu com o seu rei?
Os fariseus estão celebrando, pois seu esquema funcionou! Mas eles não sabem; é apenas sexta-feira!

É sexta-feira! Ele está pendurado na cruz, sentindo-se abandonado por seu Pai!
Deixado sozinho e morrendo! Poderá alguém salvá-lo?
É sexta-feira! A terra treme,
o céu escurece, meu rei entrega seu espírito! É sexta-feira! A esperança foi perdida!
A morte venceu! O pecado triunfou! Satanás dá gargalhadas!

É sexta-feira! Jesus está morto! Soldados montam guarda! Uma pedra é colocada no lugar!
Mas é sexta-feira! É apenas sexta-feira!
E o domingo está chegando!”