Desde que voltei de Belo Horizonte estou com esse texto no coração, e precisava escrevê-lo.

Meus amigos sabem o quanto essa situação envolvendo pastores e o movimento LGBT me incomoda, bem como a postura de ambos os lados. E fato é que eu, uma pessoa que não consegue ficar em cima do muro, me posicionei e falei duramente contra esses dois pastores envolvidos: Malafaia e Feliciano.

Queria que meus amigos que não são cristãos soubessem que existe outro evangelho, senti vergonha e desejava limpar a barra dos evangélicos, talvez eu quisesse mesmo era limpar a minha barra.

Meu coração se endureceu contra eles, por todas as lembranças que tenho, porque eu vi alguém que amo muito sofrer quando se descobriu homossexual, porque eu penso que o fardo de ser diferente já é pesado demais, porque no fundo meu desejo é abraçá-los e dizer que Deus os ama, e que nos braços do Pai não há exclusão!

Não meu amado, não sou simpatizante da causa. Só acredito, de verdade, que a igreja perdeu uma grande oportunidade de derramar o amor, nos nivelamos por baixo, e ajudamos a estender a lona do circo.

Enfim, mas não é sobre minha miserável opinião que quero falar!

Quero contar o que Deus me disse a respeito da minha posição contraria aos pastores Malafaia e Feliciano.

No culto de abertura do congresso em BH, após Cindy Jacobs ministrar tivemos um momento de oração, e comecei a orar pela igreja, pela unidade do corpo. Quando ouvi uma voz doce: “Malafaia e Feliciano também são a minha igreja!”

Irmãos amados! Confesso que me assustei, não achei que Deus estivesse realmente me dizendo aquilo. Ele repetiu: “Malafaia e Feliciano também são a minha igreja!”

Entendi que Ele queria o meu arrependimento. E eu chorei, me arrependi de ter me posicionado contra a igreja, que não é minha, ela tem um DONO zeloso, que pagou um ALTO preço por ela!

Pedi perdão ao Senhor, e quero fazer isso usando o meio que usei tantas vezes para me posicionar contra esses dois pastores. Quero pedir perdão também aos amados, com os quais debati defendendo minhas opiniões! Perdão!!!

As minhas opiniões mudaram? Passei a concordar com o que eles dizem? Passei a entender a forma agressiva de falar? Não. Eu ainda levanto a bandeira amor e da tolerância. Mas a minha postura diante da situação mudou, não vou defender o que penso em palavras, mas de joelhos, diante DAQUELE que nos amou, todos nós, sem distinção.

Termino esse texto encorajando aos valentes amigos que tenho, que assim como eu, tem tentado nadar contra a correnteza que pede uma consciência manipulável. Deus conta conosco, mas nossa luta não é contra a carne, nem sangue. E a igreja tem um DONO que TUDO vê!

Vê quem somos, e se importa com as nossas opiniões e com aquilo que pensamos. Ele não falou comigo apenas porque se importa com a UNIDADE da igreja, mas também porque não deseja que meus pensamentos e ideais me conduzam ao caminho do idealismo sem fé, para o caminho que me afasta da SUA soberania e de SEU poderio sobre tudo e todos.

Seu amor é infinito, e é infinito com o Malafaia, com o Feliciano, com qualquer pecador, o amor do Pai é infinito inclusive comigo, a mais miserável deles!